segunda-feira, 22 de abril de 2013

South Park

Bem vindos a South Park

Eu tinha que fazer um texto falando sobre South Park.

South Park é uma cidade pequena localizada no Colorado. Que é bastante famosa por aparecer diariamente no noticiário por fatos bizarros acontecerem lá! Formada por 1100 homens, 1200 mulheres e 3 gays apenas (Sr.Garrison, Sr. Slave (o boiola vestido de sadomasoquista) e o ex chefe dos escoteiros, Big Gay Al).

SOUTH PARK é um dos meus programas favoritos por vários motivos, mas o principal e mais importante é que ele é escroto. Se você pensa que Family Guy é ácido, South Park é a cocaína do Brasil inteiro. Não existe limite para as piadas, que falam do governo americano, celebridades, muçulmanos, homossexuais, deficientes mentais, Jesus Cristo a até mesmo o diabo, uma figura vermelha e musculosa, com pés de bode e que mantêm um relacionamento amoroso com Saddam Hussein.




Na cidade, 4 garotos sempre fazem qualquer merda, desde matar pessoas até explodir o país inteiro ou o mundo.

Sem escrúpulos e completamente engraçado. Não é a toa que muitas pessoas ficam incomodadas com alguns episódios da série, como um que mostra o Sr Garrison, professor do primário de meia-idade e gay assumido, retornando à sua cidade natal para resolver um "trauma de infância". Sr Garrison volta à casa onde nasceu e questiona seu pai sobre nunca tê-lo estuprado. "É por que eu era uma criança feia? Responda, por que você nunca quis abusar de mim, papai?". E depois insinua que vai dormir com a porta aberta, caso o pai queira dar um beijo de boa noite nele. Ou então o episódio em que Jimmy, um aluno com deficiência mental, é diagnosticado com síndrome de déficit de atenção. Aos poucos, todos os alunos também são diagnosticados com a mesma doença, em função das suas notas baixas e mau comportamento em sala de aula. O medicamente faz com que as crianças fiquem lentas, chatas e sem energia, chegando ao ápice de irem ao show do Phil Collins e gostarem das músicas.

O episódio que eu mais gosto é o da Síndrome de Tourette, onde Cartman descobre que um garoto (Thomas) tem um doença que você não consegue controlar o que fala... Então, pra xingar os judeus e os colegas de escola (principalmente os ruivos), ele começou a fingir que estava com Síndrome de Tourette.

Zoar celebridades também é um dos fortes do desenho. Em um episódio, Paris Hilton vai para South Park lançar sua grife "Stupid Spoiled Whore","Burra, Mimada e Vadia" no português. No final, a loira rica é desafiada a participar do concurso "A Maior Vadia de South Park", mas acaba perdendo para o Sr Slave, namorado do Sr Garrison, que dá um mortal caindo em cima de Paris e a enfia em seu ânus, Paris que anteriormente já tinha enfiado um abacaxi inteiro na vagina e conseguido muitos aplausos da platéia com esse feito incrível.



South Park é o tipo de série amada ou odiada, não existe meio termo, porque não tem nada de morno em suas histórias. Ou você vai achar muito inteligente as sacadas dos criadores ou vai achar que eles são psicopatas... ou vai achar os dois, que é o meu caso. Eu poderia ficar incomodada com, por exemplo, quando as crianças vão para Imaginalândia, a terra onde estão todos os personagens criados pela imaginação humana, e lá encontram Jesus Cristo, no meio dos Teletubbies, unicórnios e do King Kong. Mas minhas crenças não diminuem a genialidade e irreverência do humor da série.

Eu não gostava de South Park quando era mais nova, achava sem graça. Era apenas um monte de bonequinhos se xingando e falando palavrão. Só fui descobrir o porquê hoje: não é um desenho para criança! As referências e o nível das piadas torna uma ótima diversão para adultos, adultos que não põe limite no humor e conseguem achar graça de tudo, independente de sua cultura, credo ou opção sexual.

"Kyle: Cala a boca, seu bundão! 
Cartman: Ei,não me chama de bundão seu judeu filho da puta! 
Sr. Garrison: Eric, você falou um palavrão? 
Cartman: Judeu? 
Kyle: Não, ele está falando de filho da puta, você não pode dizer filho da puta na escola, seu bundão filho da puta!"


"Oh merda, sinto muito, Jesus, não me mate" - sobre Jesus vir mata-lo

Coisas que aprendi com South Park:
1 - Segurar peidos pum te matar por combustão espontânea.
2 - Os judeus, no Natal, recebem a visita de um cocô falante.
3 - Toalhas falantes adoram se chapar.
4 - Um casaco laranja atrai a morte..
5 - Baleias vivem na lua.
6 - Se você der esmolas a um sem-teto, aparecem milhares e dominam a cidade.
7 - Se você quer ir em um aniversário que não foi convidado, basta fazer um dos convidados acreditar que o mundo está acabando e escondê-lo em um abrigo antibomba por uma semana.
8 - Se muita gente falar a palavra “merda” muitas vezes, um demônio aparece para matar todo mundo.
9 - Se você tentar construir uma escada pro céu, os japoneses vão tentar também. E a deles vai ser mais alta.
10 - Uma Família da Pesada é feito por peixes-boi.
11 - São Pedro era um coelho.
12 - A cura da AIDS já existe, é só injetar 180 mil dólares direto na veia.
13 - Um guri que imita a Jennifer Lopez usando a mão como fantoche tomaria o lugar da verdadeira sem esforços.
14 - Existe uma doença que faz as pessoas nascerem com a bunda no lugar do rosto. Uma dos portadores da doença é o Ben Affleck.
15 - Criaturinhas de Natal são assassinas sanguinárias e fazem pacto com o demônio.
16 - Só os mórmons vão pro céu.
17 - Ruivos sardentos não têm alma.
18 - Quando uma mulher não dá muita atenção para sua vagina, ela se rebela, e pode sequestrar a mulher.
19 - Se a Super Nanny não resolve o caso do seu filho bagunceiro, chame um adestrador de cães.
20 - O melhor lugar para os terroristas colocarem uma bomba seria a vagina de Hillary Clinton. Afinal, ninguém entraria lá…
21 - Quando um homem troca de sexo, há a possibilidade de virar lésbico.
22 - Todo mundo quer ver uma briga de aleijados.
23 - Células tronco servem para clonar qualquer coisa, inclusive uma pizzaria!!!
24 - Se você quer ficar excitado é só ligar para alguém que esteja cozinhando.
25 - Se você enfiar um hamster no cu, ele sairá pela sua boca.
26 - Se você enfiar qualquer coisa no cu, sairá pela boca.
27 - Garotos menstruam pelo cu pela primeira vez em torno de 8 anos..
28 - Caranguejos querem transformar todos os homens em metrossexuais.
29 - Lu lu lu o Butters tem maçãs, lu lu lu você também tem.
30 - Não se atira no pinto de alguém, isso é sacanagem.



- Sr Garrison, podemos falar com o senhor?
- Claro!
- Normalmente falamos com o chefe, só que não podemos mais.
- Bem, crianças, sou seu professor. Acho que vão achar meu conselho tão bom quanto o do chefe, senão até mesmo melhor.
- Certo. Sr Garrison, você já teve um amigo que arranjou uma namorada e deixou de ser amigo e isso o chateou, hein?
- Oh, a velha síndrome da Succubu!
- O que é Succubus?
- A Succubus é uma mulher enviada dos infernos para sugar a vida de um homem.
- É isso!
- Sim, não há muito o que fazer contra uma Succubus. Seu poder maléfico deixa o homem cego de amor.
- É isso o que tá acontecendo. Uau, você é esperto, Sr Garrison!
- É... sabe, meninos, mulheres podem matar. Elas são perigosas, por isso com as garotas apenas trepo e as deixo. Eu digo: "Saia do meu quarto, sua vadia. Antes que você sugue minha vida!"
- Obrigado, Sr Garrison!
- Ok, crianças.


segunda-feira, 1 de abril de 2013

Nada

Minhas aulas começaram hoje, finalmente iniciei o ano letivo de 2013. Revi as pessoas com quem viajo todos os dias, sem muita felicidade. Sentada no banco, observando as pessoas tão envolvidas em seus próprios pensamentos. Alguns lendo, outros ouvindo música, alguns com os olhos vidrados nas janelas. Todos absortos. Estava observando-os. E prestando atenção nos outdoors que havia pelo caminho. A rotina entediante vivida pelos passageiros me entretinha... No ônibus sento sempre na sexta cadeira, do lado da janela. Hoje tinha gente ocupando meu lugar, mas não tive coragem de pedir pra pessoa sair, eu sou assim.

Distância maldita que não deixava as minhas pernas, que estão longe de serem pequenas, se acomodarem.

Lá vou eu, na “cidade grande”... ó céus... saí do ônibus. Vira a esquerda, segue o agradável aroma do Salgadinho, atravessa, vira a direita... contorna os carrinhos de doces e a multidão das filas pra postos de saúde... Vejo uma velhinha de cabelo vermelho, vejo suas unhas enormes de 11 centímetros, esmalte vermelho paixão. Janis cantando 'hush, baby, baby, baby, baby, baby, no, no, no, no, don't you cry, don't you cry!' no meu celular. Um garoto de uns 13 anos tentando impressionar uma garota, a postura, e os gestos... na minha cabeça 'WTF? WTF? WTF?' até que eu começo a rir... sim, nada com coisa nenhuma... avista uma fachada acabada e com uma árvore derrubada, ah, cheguei.

“Mal amo a mim mesmo e aqueles que digo amar...” Gostei disso. O amor é muito imperfeito, mas se um dos mandamentos é para amar o seu próximo, vejamos assim: não desejar que os inimigos vão todos para o inferno, já é amá-los num certo sentido. Ou não?

Comecei a ler ‘Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil’, gosto desse tipo de livro, gosto de histórias que contestam o que todo mundo acredita, desmistificando “heróis” e os povos nativos sofredores e incivilizados, ou passivos que não tinham outra alternativa senão lutar contra os colonizadores ou então se submeterem à eles. Mesmo que você não concorde com o conjunto de idéias, o que acho difícil, já que ele apresenta argumentos convincentes baseados em fontes confiáveis, a surpresa é garantida, é engraçado, deixando de lado aquele sadomasoquismo literário que alguns escritores adoram usar. Enfim...

Algo que me incomoda nesse texto: o fato de que eu nunca mantenho a minha linha de pensamento... eu começo com alguma coisa e passo pra outra e pra outra e fica sempre... estranho... e eu nunca concluo...

Estava inventando situações na minha cabeça, como de costume, quando surgiu algo que nem era inventado, lembranças, se desse pra simplesmente apagar umas coisas da memória era mais fácil... Ficaria só no “imaginar”.

Sei que essa não é a linha de textos que eu costumo publicar, mas vez ou outra dá vontade de postar umas loucuras que passam pela minha cabeça... não precisa de pesquisa, só colocar pra fora e já que eu tô sem computador é mais fácil. Voltar a rotina da escola, me fez pensar em tudo que eu fiz no meu dia, e o que eu mais faço é observar o comportamento dos outros e pensar. E escrever coisas aleatórias e sem sentido, como isso.


É o tipo de coisa que daqui a um ano eu vou reler e achar um sentido, por agora não sei a quê associar.

Um assunto não tem nada a ver com o outro, mas vim falar, também, é sobre a grande inveja que eu sinto de algumas pessoas. Eu admiro pra caralho pessoas que sabem, simplesmente sabem, que são capazes de falar sobre qualquer coisa. Que sabem falar sobre o que sabem. Num grupo de mais de 2 pessoas já começo a achar bem difícil falar qualquer coisa sobre a qual eu penso. Eu admiro pessoas que tem conhecimento, sabem se expressar e tem opinião concreta. Aquela pessoa que sabe o que pensa e por que pensa assim, e ainda te convence com (bons) argumentos.


O meu problema, é que eu não tenho opinião... sobre quase nada praticamente, eu simplesmente não acho coisa alguma sobre coisa nenhuma, porque afinal quando eu acho alguma coisa, uma semana depois eu já acho o contrário. E não ajuda muito quando eu fico contra mim mesma, criando argumentos contra as minhas opiniões.

Eu sou a minha maior inimiga.

E agora relendo tudo, o primeiro assunto tem, sim, tudo a ver com o segundo.
Eu sou louca.
Enfim.

O tempo te transforma.
Gradual.
mente.

"Sahara, é muito difícil crescer"
"mas por quê?"
"Adultos tem muita responsabilidade. A gente tem que trabalhar, cuidar de casa, cuidar de filho. Cê tem que se preocupar com muita coisa."
"Por quê?"
"Quando você crescer vai ver. Ser criança é muito bom. Criança não precisa pensar na vida, só brincar e ir pra escola..."
"Mentira, eu tenho que arrumar o meu quarto, e fazer tarefa de casa"
"Mas ser criança é muito mais fácil, a criança vê a vida com outros olhos, é inocente. Tudo é motivo pra rir, ficar contente."
Sim, eu sempre fui chata.

Desde esse dia decidi que não queria mais crescer.
Me convenci das verdades universais. Se bem me lembro, um dos motivos pelo qual eu mais queria ser adulta, era pra poder namorar. Vejam só.
Se existe um paraíso lá nossos espíritos voltarão a ser crianças, sem distinção de sexo, sem maldade de espécie alguma, sem real consciência.

Outro assunto aleatório que não tem a ver com o início do texto, como eu disse, eu começo com alguma coisa e passo pra outra. Eu sou louca. Se você chegou até aqui, me desculpa te fazer ler isso.