segunda-feira, 29 de julho de 2013

9 dos meus maiores medos na infância

Quando se é criança, acredita-se em tudo o que falam. Vai dizer que você não acreditava que a Hello Kitty era do demônio... ou que a Xuxa tinha pacto com o diabo... Há também medos estapafúrdios, ou não, que não é como ter medo de escuro ou de haver algum monstro em baixo da cama. Medo de pessoas, ou de algum personagem de desenho animado que não é como ter medo da Regina Casé, isso todo mundo tem.

Pensando nisso, vou compartilhar com vocês, alguns dos medos mais idiotas que eu tinha quando era criança, óbvio que, hoje em dia, eu não tenho mais medo dessas coisas (eu acho), mas é bizarro pensar como a mente infantil criava tudo isso.

1 - Tcharlinho - Art Popular


Sim. Eu tinha medo do Tcharlinho, do Art Popular. Não é um medo muito comum, por isso não podia faltar aqui. Era tenso qualquer domingo que eu estivesse assistindo o Domingo Legal, e o Art Popular estivesse lá, qualquer programa em que eles estivessem era um problema pra mim, por causa do Tcharlinho. Gente, vocês nunca perceberam a cara de tarado que esse cara tem? Enfim, era só uma implicância normal, até o mesmo aparecer em um pesadelo meu. Desde então eu passei a ter medo do Tcharlinho por um bom tempo. Tinha até um CD do grupo aqui em casa, e eu ficava um tempo olhando pra capa tentando entender por que ele era daquele jeito. Eu era uma criança meio estranha, me desculpem.

Até há um tempo atrás, lembrando que eu tinha um medinho dele quando era criança, pesquisei sobre a vida dele, se ele tinha algum escândalo, se já tinha sido preso, pra eu ter algum motivo pra ter medo dele... e nada, o único motivo era a aparência dele.

2 - Que som é esse... Björn Ulvaeus?


Perdão, eu era uma criança racista. Mas ao contrário do tipo mais comum de racismo existente por aqui, não era com negros, e sim com pessoas ‘muito loiras’. Podia ser loira, branca, só não podia ser loira demais, ok? Os principais alvos desse medo absurdo, eram o Passarinho do Castelo Rá-Tim-Bum, e o cantor do grupo ABBA, Björn Ulyaeus. Eu não sei explicar o porquê disso, eu só tinha medo, eu sei que também tinha a outra Passarinha que também era ‘muito loira’, e sei que a Agnetha também era beeem loira, mas eles especialmente me metiam muito medo. O interesante é que, hoje, eu sou muito fã do ABBA, e depois de um tempo, eu passei a adorar Castelo Rá-Tim-Bum, que acabou se tornando meu programa infantil preferido.

3 - Fofão


Esse, talvez, nem seja um medo tão incomum, pois, pelo que eu vi, muitas crianças tinham medo do Fofão.
Eu não consigo entender, não me entra na cabeça, como um boneco que tem testículos na cara pode agradar as crianças.
Eu tinha muito medo do Fofão, principalmente depois daquela história de que o criador do mesmo, tinha feito um pacto com o capeta e por isso tinha um punhal de Lúcifer dentro de cada boneco?! Eu tinha pesadelos constantes com o Fofão, e era sempre o mesmo. No sonho, havia vários bonecos do Fofão descendo um barranco que tem na rua que eu moro, e invadindo minha casa pra me matar. Como eu poderia não ter medo?

4 - "Ei, cara, pula de volta"


Eu acreditava em vários mitos na minha infância, e depois de desvirar a sandália pra minha mãe não morrer, esse era o que eu mais tinha medo: Não crescer quando alguém te pula.

Eu mesma poderia desvirar minha sandália pra que minha mãe não morresse, mas nem sempre as pessoas que me pulavam, queriam pular de volta pra que eu pudesse crescer, e isso me deixava revoltada, por isso o escolhi pra ser listado aqui.

Não sei quem foi o viado-filho-da-puta-retardado que inventou isso, mas graças a ele, eu dei grandes escândalos quando era criança. Sempre que eu estava deitada no chão da sala, desenhando, assistindo TV, ou só deitada, porque criança adora deitar no chão da sala, e alguém me pulava para poder passar, eu fazia um escândalo pra pessoa me “despular”, porque eu não queria ficar anã para sempre. Mas, pensando bem, eu deveria ter deixado mais pessoas me pularem, porque, por ironia do destino, eu acabei crescendo demais.

5 - Caipora


Eu tinha um certo medo da Caipora, do Castelo Rá Tim Bum. Puta bicho feio, todo vermelho, que aparecia com um assovio, e dava um grito “ratataaau” hahaha. Quase sempre brigava com meu irmão quando ele começava a assoviar pela casa, porque morria de medo dela aparecer. Eu tinha mais medo da caipora, porque eu também tinha pesadelos constantes com ela, e sempre o mesmo. Com a caipora, meu sonho era que eu começava a assoviar no meio da rua, e ela aparecia e me levava pra última casa da minha rua e me colocava num caldeirão gigante pra me comer depois, vê só.

6 - Homem do Saco


O Homem do Saco é um grande instrumento de controle mental infantil, e sua mãe usava pra te ameaçar se você não comesse direito, não fosse dormir ou não se comportasse na rua, lembra? “Não vai comer tudo? Por mim tudo bem, mas o Homem do Saco não gosta de crianças que deixam comida no prato.” “Quer brincar na rua até tarde? Tá bem, mas o homem do saco sai de casa 18:00 hrs, pra levar criança que tá na rua”.

Vocês sabem aquele episódio do Chaves, que a Chiquinha morre de medo do “Roupa Velha” porque pensa que ele vai levá-la embora dentro do saco se ela não tomar o remédio né? Se não sabem:



Pois bem, eu também tinha um Homem do Saco real na minha vida, só que esse era um senhor que vendia vassouras e espanadores, e passava pela minha rua todo dia gritando “oooolha o espanador e a vassoura do cabo grandeeee” hahaha claro que minha mãe não perderia a oportunidade de me fazer obedecer, me pondo medo, dizendo que o velho da vassoura ia me levar no saco dele.

7 - Os Jetsons


Lá vai eu, explicar meu medo dos Jetsons... Bom, no início, eu assistia o desenho de boa, até gostava muito, eis que um dia eu tive um maldito pesadelo... é, esse é mais um dos meus medos decorrentes de pesadelos.

Depois que eu passei a ter esse pesadelo com os Jetsons, mais precisamente com o George, ver o desenho nunca mais foi e mesma coisa. Eu tinha muitos pesadelos quando criança, constantemente, e quando o mesmo se repetia era muito tenso. Era um sonho meio louco, em que o George queria me obrigar a casar com o filho dele devido à uma dívida do meu pai, só que o filho dele não era o Elroy, era outro personagem que nem tinha no desenho... Eis o motivo do meu medo dos Jetsons.

8 - ALF, O Eteimoso


ALF, O Eteimoso, era uma série que parodiava o filme E.T. O Extraterrestre.

“ALF segue um sinal de rádio amador para a Terra e acaba caindo na garagem da casa da família Tanner... Ele torna-se um membro permanente da família, embora o choque cultural, a solidão e a saudade de casa, frequentemente, causem problemas aos Tanner...”

Enfim, ALF, era um ET, feio pra cassete, todo peludo... tá que o cabelo dele era mais bonito que o do Neymar, mas ainda assim, ela era muito feio, tinha um “nariz”, estranho, umas orelhas grandes, enfim, eu tinha medo do Alf, porque ele era muito feio, e tinha uma voz muito estranha. E o maior problema pra mim, era que sempre passava antes de uma série que eu adorava no SBT, que era Três é Demais, daí eu tinha que esperar ALF acabar pra poder assistir, era horrível.



9 - Anderson Leonardo

“Andrezãããããão, sabe qual a brincadeira que eu mais gosto?”

Tá, não era um medo medo medo, de dizer: “nossa, que medo desse cara”, nem de ter pesadelos... mas que ele dá medo, ele dá...

Você, ortodontista que estiver disposto a ajudar o Anderson a alinhar aquele lateral, por favor, o faça urgentemente.

No começo, eu tinha um medinho dele, eu tinha medo do sorriso, do jeito que ele falava, era um tipo de palhaço, só que feio. Mas depois passou a ser engraçado, e não tinha como, eu era criança, e toda criança gostava das músicas do Molejão (espero que sim). Então, esse é um medo que foi superado logo na infância.



Então, esses são os “medos” que eu consegui lembrar, que me acompanharam na infância, se vocês gostaram é só clicar em 'gooooostei' aqui em baixo e se inscrever no nosso canOPA... então, se vocês lembram de algum medo que marcou a infância de vocês, podem comentar aqui, e relembrar, ou simplesmente, ignorem, até a próxima.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Vamos às Cataratas

Pra quem não mora em Maceió (eu consequentemente não moro, mas estudo), queria avisar que hoje, literalmente, o céu caiu... sim, literalmente, caiu mesmo... não, é mentira, mas, choveu pra caralho, choveu demais, como nunca tinha visto antes. Humberto Gessinger pediu tanto, que sim, a chuva hoje caiu como um dilúvio. Saio de casa ás 5:40, chego lá ás 7:00, e volto ás 12:30, e até isso não tinha parado de chover um segundo sequer, e com certeza ainda deve estar chovendo por lá.

Uma coisa que eu nem deveria ter feito, era ter saído de casa, por causa da chuva, uma árvore caiu próximo à escola, e houve falta de energia, me senti uma idiota em ter ido. Mas enquanto eu estava lá fazendo nada, com as pernas em cima do birô do porteiro, um colega de classe me chamou muito a atenção. Quando o vi chegando, em baixo daquela chuva, todo desajeitado, coberto por uma capa de chuva amarela, mais ou menos assim:



Instantaneamente lembrei-me do episódio mítico (todos são) do Pica-Pau, “Vamos Às Cataratas”, onde o Pica-Pau quer descer as Cataratas do Niágara num barril. Só de escrever já estou dando risada. É incrível o cinismo demonstrado pelo Pica Pau em relação ao policial, e também é muito engraçado todas as vezes que o policial cai nas cataratas e os turistas com capas amarelas gritam AÊÊÊÊ!!! Mas a grande cena do episódio é aquela em que um monte de guarda acaba caindo cachoeira abaixo, cada um no seu barril, e mais uma vez os turistas: AÊÊÊÊ!!!


Não pude deixar de achar engraçado. Mas isso acabou me lembrando, de como eu odiava ir pra escola em tempos de chuva quando era criança, por um motivo: Minha mãe me obrigava a ir pra escola com capa de chuva. Cara, será que ela não tinha noção de que os meus amigos riam de mim por causa disso? Capa de chuva, pra mim, deve ser usada por motoqueiros, se não, é simplesmente constrangedor. Eu chorava pra não ir com capa de chuva pra escola, e o pior de tudo, é que íamos eu e meu irmão juntos... os dois... vestidos com capas de chuva iguais... E como eu moro no interior, e tudo aqui é relativamente perto, constantemente íamos pra escola de bicicleta... Imagina o quanto a capa de chuva atrapalhava nossa vida nesse trajeto de pedaladas.

Eu era uma criança muito tímida, ainda sou, mas na infância era terrivelmente tímida e quieta. Imagina pra uma criança assim, chegar na escola e os coleguinhas a apelidarem de Mulher do Zé Gotinha, traumatiza, crianças sabem ser malvadas.

Luiza 

Comecei então a bolar um jeito de não chegar mais na escola com aquela maldita capa transparente que me deixava parecendo um preservativo masculino. Então, eu colocava um guarda-chuva pequeno na mochila, e no meio do caminho tirava a capa e usava o guarda-chuva, mas eu só não contava com uma coisa... que meu irmão fosse contar tudo pra minha mãe ao chegar em casa, maldito, até entendo, ninguém gosta de passar vergonha sozinho.

Desde então, minha mãe nos seguia no caminho da escola, pra ver se eu iria tirar a capa novamente. Antigamente não, mas hoje até entendo, que nem era tanto a questão de que ela queria porque queria que eu fosse com a maldita capa, o problema era querer passar por cima da autoridade dela, mas vai explicar isso pra uma criança.

Então é isso, sinto muito se vocês chegaram até aqui, só queria compartilhar um trauma de infância com vocês, voltem a fazer coisas realmente interessantes... se bem que alguém que me lê nunca deve tá fazendo algo de interessante, mas voltem a fazer o que estavam fazendo, vaaai, perde mais tempo aqui não ô moleque.