domingo, 10 de agosto de 2014

Posso não gostar do dia dos pais?



Vamos lá, para mais um texto onde eu sou a chata da história. Ai Luiza, mas você não gosta de aniversário, não gosta de carnaval, e também não gosta do dia dos pais, nossa, você é muito chata. Aí eu pergunto: que vocês têm a ver com a minha vida? Vocês deveriam ta lavando umas louça na pia, e não lendo isso aqui, então nem reclama.

Pode ser estranho, vindo de mim que tenho uma família “estruturada”, pai e mãe presentes, mas eu não gosto do dia dos pais, também não gosto do dia das mães, nem gosto quando alguém da minha família completa ano. Se você que está lendo isso me conhece, deve saber que eu sou uma pessoa, digamos, meio bruta, que não gosta de demonstrar sentimentos e blá blá blá, mas se você me conhece mesmo, sabe que por dentro eu sou uma princesa da Disney, manteiga derretida, um amorzinho, mas pra quê mostrar né? Então, é difícil demonstrar qualquer atitude de afeto, principalmente para com os mais próximos. É difícil acordar, descer as escadas, dar um abraço no meu pai e dizer: te amo. Não por não amá-lo, simplesmente por existir um bloqueio na minha cabeça, que não me permite fazer isso. Eu já fico no sábado, pensando em como eu vou fazer no domingo de manhã quando acordar, no que eu vou falar, se eu abraço, se eu só entrego o presente (que sempre é ele quem paga, pois sou pobre, e se nesse ano eu podia comprar alguma coisa, cabo o sonho, pois fui demitida, é, minha vida é uma merda) se eu tento falar que o amo, o que com certeza não vai dar certo, porque acho que na hora ia ter uma convulsão e morrer, o que acho que seria um excelente presente.

Eu nunca tive uma relação muito próxima com o meu pai, não por culpa dele, e sim por minha culpa, pelos motivos já citados. Meu pai não deve nem saber o curso que eu faço na faculdade, aliás, deve saber porque minha mãe deve ter contado, mas da minha boca ele nunca soube, se tem uma coisa em que eu sou ótima é na falta de comunicação verbal, nisso eu sou expert. Meu pai é uma pessoa nota 6489736, qualquer pessoa gostaria de ter um pai igual ao meu, eu sei reconhecer isso, ele pode até falhar em outros aspectos na vida, mas no quesito pai ele é mestre.

Esse dia dos pais, pode até ter vindo em boa hora, pois ultimamente a gente ta mais distante do que nunca, por culpa de quem? Da linda que só faz merda. Eu sei que muitos devem ter na cabeça de que, talvez, não sejam bons filhos, ou filhos até ingratos, mas com uma escala enorme de engano, cada filho é justamente como seu pai queria que ele fosse, com apenas umas diferençazinhas aqui ou ali, mas esse ano eu fui exatamente o contrário de tudo de que meu pai um dia esperou que eu fosse, eu fui uma filha extremamente hediondamente (nem sei se essa palavra existe) excessivamente com todos os pleonasmos que se tem direito péssima. Então se a relação já era ruim, ela ficou pior. E eu acho que eu precisava mais do que nunca dar um abraço nele. Planejei o sábado todo como seria, o que eu ia dizer, como eu pediria desculpas, como entregaria o presente. Hoje de manhã, fiz tudo ao contrário, e não poderia ter sido uma cena mais constrangedora, fria e distante. E eu me odeio por isso.

O dia dos pais é uma péssima data pra pessoas como eu, ela só serve pro seu pai pensar que você é um mal agradecido, e que só compra presente ruim pra ele. No meu caso, o mês de agosto, é o mês em que meu pai deve ter certeza que eu sou uma péssima filha, pois é o mês dos pais, e o mês do aniversário dele, que eu até consigo abraçá-lo... se tiver festa e eu estiver bêbada.

O dia dos pais, também, não é lá uma data muito do meu agrado porque nem todo mundo tem pai, assim como o dia das mães, nem todo mundo tem mãe. O que eu mais vi, hoje, no twitter, foi gente reclamando de como o pai é um merda, ou que não tem motivos pra comemorar a data, e eu imagino como devem ser triste essas datas, tipo chega o dia da árvore e você não é uma árvore. Só é legal mesmo quando chega o dia do índio e você não é um índio (meus colegas de curso me detestariam por isso). rsrsrsrs

Mas é isso, você levar durante todo o ano numa boa que não tem seu pai por perto é uma coisa, mas ter um dia pra se sentir mal especialmente por isso, é muito pior, (hora da auto-ajuda mensagem de amor paz, Xuxa te amo) todos os dias a gente pode demonstrar amor aos nossos pais, não deveria ser uma obrigação sair no sábado de última hora pra ir comprar um presente que é o mesmo todo ano. Uma criança que não tem pai, não deveria ser obrigada a fazer cartãozinho na escola. E não, não é que eu não tenha coração e não saiba dar valor ao meu pai, ou a minha mãe, é só que essas datas deixam muitas pessoas tristes, e a tristeza é uma coisa bem mais duradoura que um momento de felicidade, e eu acho que toda tristeza deveria ser evitada.

Então, eu tentaria ser mais afetuosa com meu pai de maneira natural, não pela obrigação de um presente e um eu te amo num dia específico do ano, onde eu provavelmente me sentiria mal de não ter tido sucesso na tentativa frustrada de demonstrar carinho. Às vezes, eu acho que meu coração é feito de pedra. Mentira. Meu coração é feito de algum material que só amolece quando não deve.

E essa foi mais uma edição do diário idiota da Luiza que ninguém quer saber, porque a idiota ao invés de escrever algo interessante fica falando da vida dela, mas se você chegou até aqui, você não tem mesmo nada melhor pra fazer, né, cara? Sua vida é uma merda.